Novos passos rumo ao transplante de fígado

13/05/2022

Médicos do Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB) participaram, na terça-feira (10/05/2022), de palestra conduzida pelo cirurgião João Seda – integrante do Grupo de Transplante Hepático do Hospital Sírio-Libanês, do AC Camargo Câncer Center e Hospital Samaritano de SP. O médico veio de São Paulo para falar aos profissionais das equipes clínica e cirúrgica do HCB sobre transplante hepático e reabilitação intestinal.

Segundo a diretora clínica do Hospital da Criança de Brasília, Elisa de Carvalho, o evento reforça a parceria entre o HCB e o Hospital Sírio-Libanês. “Mais de 90% das nossas crianças são transplantadas por eles; voltam para nós, em geral, dois meses pós-transplante e nós continuamos o seguimento delas”, explica a diretora, que é especialista em gastroenterologia pediátrica. Atualmente, o HCB acompanha 75 crianças que passaram pelo transplante em São Paulo.

A palestra também foi mais um passo do Hospital rumo à realização de transplantes de fígado em crianças. Em 2019, o HCB passou a participar do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS) do Ministério da Saúde e, por meio de termo de cooperação com o Hospital Sírio-Libanês de São Paulo, se tornou Centro Satélite de Transplante de Fígado.

O hospital paulista ofereceu treinamento aos profissionais do Distrito Federal até o início de 2020, quando a pandemia provocou uma interrupção no cronograma de encontros. “Estamos retomando esse plano e o objetivo, agora, é voltar ao treinamento da equipe, para possibilitarmos o início do transplante hepático aqui”, afirma Carvalho.

Segundo a diretora do HCB, uma das principais causas do transplante hepático pediátrico é a atresia biliar; ao contrário do que acontece em outros transplantes, porém, há certa facilidade na busca por doadores. “O fígado precisa de compatibilidade sanguínea, não precisa de compatibilidade da parte genética. Os dois principais critérios são o tipo sanguíneo e o tamanho do fígado”, explica Elisa de Carvalho. O procedimento pode ser feito com o doador vivo, transplantando apenas uma parte do órgão para a criança.

A data para início da realização de transplantes de fígado será definida depois que toda a equipe – médicos da área clínica e cirúrgica, equipe de enfermagem, nutricionistas, psicólogos, assistentes sociais e todos os profissionais que participam do acompanhamento pós-transplante – concluir o treinamento.

 

Texto: Maria Clara Oliveira