Carinho que não pede nada em troca

27/08/2021

No dia 28 de agosto, é comemorado o Dia Nacional do Voluntário. O Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB) conta com mais de 300 voluntários. Segundo a supervisora de Voluntariado e Pedagogia Hospitalar do HCB, Suely Lemos, eles são fundamentais, pois complementam as responsabilidades da equipe. “Somente os funcionários não conseguiriam suprir as necessidades de todas as crianças atendidas – os voluntários dão o suporte necessário para os pacientes e acompanhantes, indo desde tarefas mais simples, como ajudar com uma informação, até acompanhar as crianças internadas”, explica Lemos.

Simone Avancini (foto  no alto da matéria) atua como voluntária nas brinquedotecas do Hospital. Ela decidiu fazer este tipo de serviço por gostar muito de crianças. “Estou achando uma experiência muita bacana. Acredito que, às vezes, devemos voltar a ser criança e olhar as coisas numa perspectiva mais otimista; as crianças estão me ensinando a ser mais positiva”, conta. 

Outra voluntária é Bianca Saturnino: atuando no HCB desde 2018, ela já considera esta uma das principais atividades de sua rotina. “Tem sido maravilhoso trabalhar com as crianças, é um momento que me sinto muito útil por poder fazer parte na evolução do tratamento delas. Essa sensação de saber que estou ajudando é incrível, não conseguiria mais viver sem realizar o voluntariado”, afirma.

Ana Júlia Souza também é voluntária no Hospital há três anos e se emociona com alguns casos que presencia no HCB. “Uma vez eu estava fazendo acompanhamento na parte de oncologia quando, de repente, uma criança começou a tocar violão e cantar com uma voz muito bonita. Isso me sensibilizou porque percebi que, mesmo em situações difíceis, é possível ter momentos felizes.”

Segundo a coordenadora da UTI Pediátrica, Selma Kawahara, a presença dos voluntários está alinhada à cultura de humanização do Hospital: “aqui no HCB, buscamos tratar não só a patologia; tratamos a família de uma forma que ela saiba conduzir todas as etapas do tratamento. Os voluntários são fundamentais nesse processo; eles têm uma empatia que cria vínculo com os pais, o que diminui a carga emocional”.

Sempre que vem ao HCB, Enzo Gabriel Martins, sete anos, passa pela brinquedoteca e encontra os voluntários do setor. Sua mãe, Guida Martins, adora essa interação: “É maravilhoso saber que meu filho está brincando com um adulto responsável, dá uma sensação de tranquilidade. O Enzo é muito ansioso, odeia esperar —  quando ele brinca com os voluntários, fica mais calmo; às vezes, gosta tanto que nem quer voltar pra casa!”

 

Texto: João Victor Soares
Fotos: João Vítor Rosa
Edição: Carlos Wilson
Gerência de Comunicação: Ana Luiza Wenke