Vizinhos especializados

26/05/2015

Especializado em reabilitação, cuidados paliativos e sede do laboratório de referência para o teste do pezinho, o Hospital de Apoio de Brasília está localizado ao lado do Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB), no Setor de Áreas Isoladas Norte (Sain). Há 21 anos, a unidade de saúde promove qualidade de vida para seus pacientes.

Segundo o diretor-geral do Hospital de Apoio, Delmasson Carvalho (foto abaixo), alguns dos serviços realizados pela instituição são exclusivos: “Até na rede privada, não tem ninguém que faça o que nós fazemos no ambulatório e na internação de cuidados paliativos, na reabilitação e no ambulatório de genética”.

São 19 leitos destinados aos cuidados paliativos. O Apoio também é responsável pela triagem neonatal, conhecida como teste do pezinho: “Nós fazemos cerca de quatro mil exames por mês aqui”, completa o diretor.

Por serem hospitais especializados, o HCB e o Hospital de Apoio atuam de maneira conjunta no tratamento de algumas crianças e adolescentes. “Nós temos uma relação com o Hospital da Criança de Brasília, principalmente em genética e com ambulatórios para alguns pacientes que estão aqui e lá”, conta Delmasson. Ele acrescenta que, “em um futuro próximo, tudo vai para o Hospital da Criança, mas por questões de logística, continuarão sendo atendidos aqui por enquanto”.

Trabalhando nos dois hospitais (Apoio e HCB), a endocrinologista Kallianna Gameleira (foto) explica como seu trabalho se divide entre as duas unidades de saúde. “No Hospital de Apoio de Brasília, fico mais na parte da triagem neonatal, com o ambulatório de hiperplasia adrenal congênita. Aqui, eu atendo alterações endócrinas gerais.”

Há poucos casos de pacientes da médica que são atendidos, ao mesmo tempo, no Hospital de Apoio e no HCB. “Quando são casos de alterações específicas no paciente, afasto o paciente da triagem neonatal e, uma vez afastada, eu encaminho pra cá para continuar a investigação, mas ela deixa de ser acompanhada lá e passa a ser acompanhada aqui”, conta. Kallianna também conta que “no Hospital da Criança de Brasília há disponibilidade de exames que em alguns locais da rede pública não tem.”

O Hospital de Apoio também conta com voluntários e parcerias com instituições como a Universidade de Brasília (UnB), a Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde (Fepecs) e a Universidade Católica de Brasília (UCB). “A parceria com a UnB é mais na área de reabilitação; vêm muitos professores e alunos que têm feito toda a assistência da hidroterapia. A Católica é muito direcionada à parte de genética e, junto com a Fepecs, traz alunos para fazerem matérias optativas na parte de reabilitação ou cuidados paliativos”, explica o diretor Delmasson. Ele acrescenta que o Hospital de Apoio recebe “residentes para as áreas de clínica médica, geriatria, oncologia e saúde da família, às vezes, em cuidados paliativos. O mais comum é na parte de cuidados paliativos oncológicos”.

Enquanto o trabalho voluntário desenvolvido no HCB é realizado pela Associação Brasileira de Assistência às Famílias de Crianças Portadoras de Câncer e Hemopatias (Abrace), os voluntários do Apoio são ligados diretamente à unidade de saúde. A Associação de Voluntários do Hospital de Apoio nasceu junto com o hospital e presta auxílio a pacientes com grandes sequelas, que precisam de suporte psicológico, material e, em alguns casos, financeiro. “Os voluntários ficam aqui todos os dias, ajudam muito os pacientes mais carentes”, conta Delmasson.

O Hospital de Apoio funciona em esquema ambulatorial durante o horário comercial (das 8h às 12h e das 14h às 18h), e 24h no regime de internação. Pacientes e acompanhantes têm direito a alimentação; funcionários dispõem de um refeitório e um Núcleo de Ensino e Pesquisa (NEP), aberto a estudantes em geral e a médicos.

O telefone para contato do Hospital de Apoio de Brasília é 3905-4700.

Texto: Leonardo Farias
Fotos: Maria Clara Oliveira

Edição: Carlos Wilson
Coordenação de Comunicação: Ana Luiza Wenke