Triagem Neonatal

06/06/2014

 

O Dia da Triagem Neonatal foi comemorado nesta sexta-feira (06/06/2014) em cerimônia realizada no Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB). A data foi escolhida para celebrar o sucesso do Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN), criado em 2001, que busca fazer o teste do pezinho e triagem auditiva e ocular em recém-nascidos.

No Distrito Federal, pioneiro no fornecimento dos exames, o programa existe há 20 anos, oferecendo à população o diagnóstico precoce de 29 doenças genéticas e congênitas. O ideal é que a triagem seja realizada entre o terceiro e o quinto dia de vida das crianças. Para o superintendente executivo do HCB, Renilson Rehem, “identificar determinadas doenças que ainda não têm manifestação clínica possibilita atitudes de tratamento que permitem à criança ter um desenvolvimento normal”.

Segundo a coordenadora do PNTN, Ana Stela Goldbeck, o objetivo do programa é realizar os exames em todos os recém-nascidos do país. “No SUS, já temos uma cobertura de 83%. Não estão computadas as crianças que fazem a triagem por convênio ou particular. Se fossem computadas, o índice se ampliaria bastante, mas os laboratórios privados só oferecem o teste: não oferecem o tratamento nem o acompanhamento clínico”, explica.

As crianças que fazem o teste pela rede pública são acompanhadas durante toda a vida, já que as doenças diagnosticadas não têm cura. No Distrito Federal, os recém-nascidos em que a triagem indica alguma doença são encaminhados ao HCB. “O teste é realizado, e as situações diagnosticadas são acompanhadas aqui. Somos a referência, no DF, para as patologias identificadas no teste do pezinho”, explica Rehem.

Durante a cerimônia, representantes das regionais de saúde foram homenageados por sua contribuição com o desenvolvimento do programa. A médica Denise Franco, responsável pela criação do PNTN, também teve seu trabalho reconhecido, bem como o secretário de saúde do Distrito Federal, Elias Miziara.

Miziara ressaltou a importância dos profissionais de saúde na divulgação da triagem neonatal: “Tanto a equipe médica quanto a de enfermagem e as demais têm enorme importância em garantir que os testes estejam presentes, colher material e orientar as famílias. Inclusive, devem garantir que essas famílias sejam informadas para dar continuidade ao tratamento, quando necessário”. No DF, os exames são realizados ainda na maternidade. Em outros estados, porém, cabe aos pais ou responsáveis levar as crianças aos centros de saúde.

A meta do PNTN, agora, é tornar a triagem neonatal plena, alcançando 100% dos recém-nascidos, e manter as condições para o funcionamento de todas as etapas do programa.

 

Texto: Maria Clara Oliveira
Fotos: Juceli Cavalcante

Edição: Carlos Wilson 
Coordenação de Comunicação: Ana Luiza Wenke