Piloto encontra fãs de automobilismo no HCB

21/07/2016

Na terça-feira (19/07/16), os pacientes do Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB) foram visitados pelo piloto de Stock Car Guga Lima. O atleta de 19 anos conversou com as crianças e adolescentes, mostrou vídeos de suas últimas corridas e distribuiu desenhos para colorir e bonés autografados.

As crianças ficaram surpresas com a visita, e algumas contaram ser fãs de automobilismo. “Gosto de ver corridas. Não gravo o nome de muitos pilotos, mas gosto do Felipe Massa”, disse Brenda de Souza (foto acima), 14 anos, que costuma assistir às competições de Fórmula 1 pela televisão.

Carlos Eduardo Fonseca (foto abaixo), 12 anos, não acompanha todas as competições, mas também gosta do esporte. “Às vezes eu assisto corrida. Tenho vontade de aprender a dirigir para correr também”, afirmou o menino, que é fã do também piloto de Stock Car Cacá Bueno.

Lucas Ferreira (foto abaixo), seis anos, ficou animado ao saber que o desenho que ganhou é igual ao carro que Guga pilota. Ele também gosta de competir – mas, por enquanto, só em jogos eletrônicos. “Eu gosto de brincar com joguinho de corrida, até baixei um no celular da minha mãe para poder brincar. Tinha um de motos, mas carro é mais legal”, explicou.

Guga Lima iniciou sua carreira no automobilismo como piloto de kart, em Brasília, aos 13 anos. Aos 15, se mudou para a Europa e passou a correr na categoria Fórmula. Em 2015, de volta ao Brasil, mudou para a Stock Car. O piloto sempre apoiou causas sociais, como preservação ambiental – buscando amenizar os efeitos da poluição causada pelo carro, ele compra créditos de carbono – e, agora, adotou a causa do combate ao câncer.

Ele se interessou pela causa por já ter convivido com a doença. “Já tive casos na minha família, é uma doença que mata muito; a gente entrega panfletos nas estações do box com dicas para se prevenir”, conta o piloto. Guga Lima também faz visitas a instituições ligadas ao tratamento da doença e realiza ações com pacientes. “A gente levou os maridos das mulheres com câncer de mama de Porto Alegre, por exemplo, para um passeio. Às vezes a paciente não pode ir, mas o marido pode, o filho pode, então a gente leva para o box, faz ações assim”, explica o pai do piloto, Erickson Blun.

 

Texto: Maria Clara Oliveira
Fotos: Augusto Almeida

Edição: Carlos Wilson
Coordenação de Comunicação: Ana Luiza Wenke