Mensagens que dão força

25/06/2019

Crianças em tratamento oncológico no Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB) receberam uma correspondência especial na segunda-feira (17/06/19): cartas para animá-las durante o período de internação. Entregues pelas voluntárias do projeto Chá das Amigas – Cartas para um Amor, as mensagens foram escritas por estudantes de uma escola particular do Distrito Federal.

Assim que recebeu sua carta, Luís Otávio Ribeiro (foto acima), oito anos, se apressou para abri-la e saber o que estava escrito. “Eu nunca tinha recebido uma! Se eu fosse mandar uma também, minha mãe é quem ia ter que escrever”, disse o menino, depois de ler toda a mensagem em voz alta.

A mãe de Luís Otávio, Francislene Ribeiro, já conhecia ações como a realizada pelo Chá das Amigas. “Eu já tinha visto algo parecido na televisão; a carta deixa a gente mais feliz, é um gesto bonito”, afirmou.

Agatha da Silva (foto abaixo), três anos, também recebeu uma carta. Sua mãe, Ingrid da Silva, leu a mensagem para a filha e explicou a ela quem eram as crianças que haviam enviado. “Essa é a primeira vez que a Agatha fica internada; eu fiquei surpresa com a carta, foi bom receber uma”, disse.

O projeto Chá das Amigas reúne mulheres diagnosticadas com câncer que estejam em tratamento ou já tenham passado por ele, assim como seus familiares. Periodicamente, os integrantes se reúnem para escrever cartas para outras pessoas diagnosticadas com a doença. “As cartas têm teor de apoio, motivação, esperança. Nosso maior objetivo é despertar uma emoção positiva em quem está em tratamento”, explicou a idealizadora do projeto, Carla Cavalcanti (foto acima).

Para a ação no HCB, o grupo decidiu fazer algo diferente: após a realização de uma palestra sobre o projeto em uma escola particular do DF, as integrantes estimularam os estudantes a escrever as cartas. “A mobilização foi para que eles escrevessem cartinhas para crianças, da mesma idade deles, que estão passando por um tratamento oncológico. Isso tocou profundamente o coração deles, a oportunidade de saber que as cartas podem chegar a outras crianças”, afirmou Cavalcanti.

 

Texto e fotos: Maria Clara Oliveira
Edição: Carlos Wilson
Coordenação de Comunicação: Ana Luiza Wenke