HCB: uma aula de gestão

11/09/2017

Os dois auditórios do Centro Universitário de Brasília (UniCeub) ficaram lotados de estudantes dos cursos de Direito, Enfermagem, Medicina e Administração interessados em entender o modelo de gestão do Hospital da Criança de Brasília (HCB). Eles participaram do fórum Gestão Pública pelo Setor Privado na Saúde – estudo jurídico de um caso desafiador: o Hospital da Criança de Brasília”, realizado em 23 de agosto em dois horários: um para participantes do campus da Asa Norte e outro, no campus de Taguatinga. Da mesa do fórum, participaram o superintendente do Hospital da Criança de Brasília, Renilson Rehem; o coordenador do curso de medicina do Uniceub, Alberto Vilar Trindade; o professor de Direito do UniCeub, Ricardo Vicente Correa; o procurador de justiça do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), José Eduardo Sabo e a coordenadora dos cursos de Direito e Administração Pública do UniCeub, Márcia Condes

O superintendente executivo do HCB, Renilson Rehem, mostrou como o esforço de pais e profissionais de saúde que enfrentaram o câncer infantil em Brasília resultou na garantia de uma assistência de qualidade às crianças e adolescentes com doenças graves.

Apresentando dados, Rehem apontou as conquistas e desafios da parceria e ressaltou que a gestão do Hospital preza pela transparência. “Cumprimos com rigor o contrato com a Secretaria de Saúde do Distrito Federal; enviamos mensalmente a prestação de contas a ela, que repassa para o Tribunal de Contas do DF. Além disso, todos os relatórios ficam à disposição no nosso site”, disse.

O professor de Direito do UniCeub Ricardo Vicente Correa, que já assessorou a Defensoria Pública do DF, explicou aos alunos o papel do terceiro setor. Ele acredita que os governos devem começar a enxergar a capacidade de organizações como o Instituto de Câncer e Pediatria Especializada (Icipe) para a gestão eficiente de diversos setores que, tradicionalmente, estão na mão da administração pública direta.

Já o procurador de justiça do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) José Eduardo Sabo apresentou um panorama geral da realidade social e normativa brasileira com relação à participação da sociedade na prestação de serviços públicos. Segundo ele, as organizações têm uma vinculação expressa ao contrato de gestão. “No âmbito do DF, nós temos uma lei das organizações sociais. Essa lei qualificou o Icipe, que administra o Hospital da Criança de Brasília. Foi pactuado com ele um contrato de gestão, então o Instituto deve cumprir o que está estabelecido no contrato de gestão que foi firmado”.

Para a organizadora do evento e coordenadora dos cursos de Direito e Administração Pública, Márcia Condes, a gestão eficiente beneficia toda a sociedade. Os custos se tornam bem mais baixos e nós temos comprometimento, fiscalização. Então, nós estamos realmente com uma gestão diferenciada em um hospital que traz a eficiência esperada. O Icipe é isso”, finaliza Condes.