Doenças respiratórias são o tema da Rádio Dodói

20/03/2020

O segundo episódio da nova temporada da Rádio Dodói, podcast do Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB), aborda doenças respiratórias – como asma, bronquiolite e a Covid-19, causada pelo novo coronavírus. Em entrevista ao podcast, a pneumologista pediatra do HCB, Luciana Monte, reforça a importância da higienização de mãos na prevenção da pandemia e conta como é o acompanhamento de crianças diagnosticadas com as outras doenças.

 

HCB: Quais são as doenças respiratórias mais frequentes tratadas no HCB?

Luciana Monte: Aqui, nós tratamos as doenças respiratórias crônicas da infância. A asma, por exemplo, é uma doença prevalente no Brasil e no mundo e nós tratamos: temos o centro de referência em asma grave e asma moderada. Nessa época do ano, temos um aumento de doenças respiratórias de outono (doenças virais) e vírus respiratórios muito frequentes, como o sincicial respiratório (VSR), o vírus da gripe; agora, estamos começando a ter o problema do coronavírus e vários outros que circulam nessa época do ano aqui no Hemisfério Sul. Nesse período, enfrentamos essas doenças virais; vemos muito em prontos-socorros, mas aqui no HCB nós tratamos mais de doenças crônicas consequentes de doenças agudas virais.

 

HCB: Quais são as causas das doenças respiratórias tratadas no HCB?

Luciana Monte: Em relação às doenças crônicas, nós temos a asma, cuja causa principal é a atopia (alergia respiratória). Muitas vezes, a criança tem uma predisposição genética para a asma; ela pega um vírus, ou o tempo muda, ou algum fator desencadeante – fumaça de cigarro, por exemplo; são coisas que fazem a criança ter problemas como crises de falta de ar, que é a principal característica da asma. Outras doenças que nós cuidamos aqui no HCB são as pneumonias (cuidamos das crianças internadas) e a bronquiolite (muito frequente no ponto de vista de internação aqui no Hospital), que também é muito prevalente. A causa mais frequente da bronquiolite é o vírus respiratório; a causa das pneumonias são vírus e bactérias.

 

HCB: Qual é o tratamento realizado no HCB para essas doenças?

Luciana Monte: Em relação à asma, temos um acompanhamento ambulatorial para a prevenção das crises asmáticas; o ideal para essas doenças crônicas é prevenir um problema mais sério, prevenir internações. No ambulatório, nós cuidamos da prevenção, então usamos medicações que previnem a asma, corticoesteroides inalatórios, higiene do ambiente físico; orientamos as famílias sobre como utilizar as medicações e prevenir as crises. Uma vez que a criança tem crise, tratamos aquela crise especificamente; algumas vezes internada e, na maioria das vezes, em casa.

Em relação às pneumonias e bronquiolites, algumas crianças vêm para a internação. Nós não temos pronto-socorro, então todas as crianças que vêm para a internação são referenciadas da equipe da Secretaria de Saúde em geral. Aqui, nós cuidamos delas com oxigenoterapia. Dependendo da situação, na maioria das pneumonias nós precisamos usar antibióticos. Na maioria dos casos da bronquiolite, nós fazemos um suporte para que a criança passe por essa doença viral sem complicações maiores até a alta.

 

HCB: Que tipo de orientações vocês dão aqui para os pacientes e familiares?

Luciana Monte: As orientações principais em relação a essa época do ano, especificamente onde nós temos a circulação de vírus respiratórios, são:

*Higienização das mãos (para todas as pessoas, tanto dentro quanto fora do HCB);

*Evitar o tabagismo;

*Vacinar as crianças adequadamente, de acordo com os calendários vacinais – é importante, pois a vacina da gripe, por exemplo, previne contra doenças mais graves. As de pneumonias em geral, também temos algumas;

*Amamentação e alimentação adequada para as crianças – assim, a imunidade fica boa e ela diminui as chances de ter uma doença grave;

*Evitar aglomerações – lugar de criança pequena não é dentro de shoppings ou lugares fechados. É em espaço aberto, na própria casa, evitando pessoas doentes ao redor. Evitar as aglomerações é muito importante para evitar doenças respiratórias em geral: não só as que falamos aqui, mas gripes, resfriados, otites e outras;

Dependendo da situação, se a criança estiver doente, é importante os pais estarem atentos aos sintomas graves, que é quando eles vão precisar procurar um atendimento no pronto-socorro nas regionais de saúde. Por exemplo: uma criança que está muito prostradinha, caída, em uma doença respiratória, pode estar precisando de atendimento. Então, é importante ela ser avaliada com uma equipe de saúde.

Uma criança que tem arroxeamento dos lábios – é uma situação de emergência – precisa ir direto para o pronto-socorro, muitas vezes ela vai precisar de oxigênio. Se uma criança não consegue sequer se alimentar de líquidos – outra coisa a que devemos ficar atentos –, os pais precisam buscar atendimento. Às vezes a criança está com respiração difícil ou cansaço para respirar; ela precisa ser avaliada de forma imediata por uma equipe de saúde da regional.    

 

HCB: Quais são os cuidados que o HCB tem em relação ao coronavírus?

Luciana Monte: O coronavírus também é um vírus respiratório. Agora, ele está sendo muito falado, mortes estão acontecendo, houve uma mutação, por isso as pessoas não são imunes a ele. Ele ainda está sendo estudado; não existe vacina por enquanto. A característica de prevenção do coronavírus é semelhante aos outros vírus respiratórios, precisamos ter os mesmos cuidados. Tudo em relação à higiene das mãos, toda aquela prevenção que a gente comentou vai ser aplicada aqui no coronavírus. Nós estamos seguindo as orientações do Ministério da Saúde, já existe um protocolo aqui no Brasil e internacional, então estamos seguindo isso. Felizmente, ainda não tivemos nenhum caso suspeito por enquanto, mas como estão chegando esses casos respiratórios, pode ser que nos deparemos realmente com um.        

 

HCB: E em relação às doenças respiratórias raras?

Luciana Monte: O HCB é um Hospital de doenças crônicas; portanto, nós tratamos de doenças raras, também. A criança convive com essa doença, que ainda não tem cura, mas fica em acompanhamento aqui conosco. Um exemplo de uma doença crônica seria a fibrose cística. Outras doenças, como as neuromusculares, que em alguns casos afetam o pulmão, nós também acompanhamos. Repercussões de doenças pulmonares como câncer, doenças oncológicas, bronquiolite obliterante, discinesia ciliar; são doenças menos conhecidas pela população, mas que a gente cuida aqui no HCB como centro de referência. Então, se a criança tiver indicação de acompanhamento com o pneumologista no Hospital, o médico encaminha.

 

Veja mais: Orientações para prevenção e atendimento no HCB durante o combate ao coronavírus